8 de fevereiro de 2013
Por: Haroldo Lima


Participação na Direção Nacional , GT e outros espaços têm marcado atuação da Seção Ifes e Itapina

Desde a eleição de Gutenberg de Almeida para a Direção do Sinasefe Nacional, a Seção Ifes tem ampliado a participação nos espaços nacionais promovidos pelo Sindicato em plenas, GT e na Comissão Nacional Docente (CND). Na última semana, especialmente, a presença de servidores capixabas no Distrito Federal foi determinante nos GT Terceirização e Racionalização e na CND.

Aliomar da Silva, TAE e coordenador da Seção Itapina compõe o GT Racionalização e participou da reunião realizada no último dia 30. “Durante a reunião, apresentamos o relatório feito pela Comissão Nacional de Supervisão (CNS) e propusemos a aglutinação de cargos extintos pela Lei 11.091/95 e a revitalização de outros, com o objetivo de extinguir a terceirização nos Institutos e Universidades. Não conseguimos apresentar todas as proposições, mas avançamos nos trabalhos”, afirma Aliomar. “A participação nos espaços nacionais é essencial para conhecermos a dinâmcia e os bastidores das políticas do governo para os SPF”, avalia.

Participante da Comissão Nacional Docente, o professor Randall Guedes (campus Cariacica) compôs o grupo de servidores que se reuniu com o Conif para analisar a Lei 12.772/12, que desestruturou a carreira dos docentes. A progressão funcional, regras para o auxílio-transporte, a avaliação de desempenho e o Reconhecimento de Saberes e Competências (RSC) foram tópicos prioritários da reunião.

 

Randall, o segundo em sentido horário, participou do GT Racionalização. Foto: Sinasefe Nacional

“Apresentamos ao Conif uma análise da lei sancionada, mas como a CND é uma instância do Sinasefe, entidade que não assinou o termo de acordo e não está participando dos GT docentes, temos que aguardar para ver de que forma nossas reflexões vão influenciar na regulamentação da lei. Estamos trabalhando para que nossos pontos de vista sejam ouvidos pelo MEC, tanto sobre o RSC como sobre a progressão”, esclarece Randall.

Representante do Sinasefe no GT Terceirização, a coordenadora geral da Seção Ifes, Samanta Lopes Maciel (campus São Mateus), e os companheiros da Fasubra e do Andes-SN, apresentaram os objetivos e o tema do GT para o MEC, a Andifes e o MPOG. Na reunião as entidades sindicais cobraram do governo o número de servidores terceirizados em exercício nas Universidades e Institutos Federais, para que possam realizar uma análise precisa sobre a terceirização no ensino público.

Clique AQUI para ler o relatório do GT Terceirização. Leia mais sobre os GT no Boletim Nacional do Sinasefe #512 AQUI.

Samanta, no fundo, no GT Tercerização. Foto: Sinasefe Nacional

Além de componente do GT Terceirização, Samanta foi escolhida pela plenária do 27º Consinasefe realizado em dezembro de 2012, para compor a suplência da Direção Nacional do Sindicato. “Aceitei o desafio de participar desses espaços, pois acho importante representar os novos servidores do Instituto e levar as demandas e experiências vividas no Espírito Santo para o plano nacional”, explica Maciel.

A servidora preencheu uma vaga na Nacional após a substituição de Gutenberg de Almeida pelo servidor Shilton Roque dos Santos, da Seção Natal. “Com a minha saída, a Unidos Pela Base (grupo de servidores independentes que se uniram no 26º Consinasefe ) teve direito de indicar um componente para substituir Shilton na suplência. Trabalhei a expansão dos Institutos como pauta prioritária, sempre intensificando o diálogo entre as seções e a Direção nacional. Samanta tem condições de continuar esse trabalho com sua sensibilidade e seu histórico de militância. Estamos bem representados”, conclui Gutenberg de Almeida.

 

 

 

393 View