29 de junho de 2012
Por: Haroldo Lima


O Comando Geral de Greve do Sinasefe (CGG) realiza na próxima semana uma caravana de mobilização dos servidores do Ifes. A caravana tem o objetivo de efetivar a participação dos servidores do Instituto na greve unificada da educação e articular ações de mobilização junto aos Comandos de Greve Locais. Até o momento, servidores de 10 campi aderiram ao movimento paredista.

Confira quadro geral geral de greve atualizado diariamente.

O CGG tem ações agendadas em Cariacica, Venda Nova do Imigrante, Ibatiba, São Mateus, Linhares, Guarapari, Vila Velha, Nova Venécia, Cachoeiro de Itapemirim, Piúma e Colatina. Os horários estão sendo confirmados localmente e serão atualizados durante o decorrer da semana.

Clique aqui para conferir a agenda da caravana atualizada.

Os servidores reivindicam reestruturação das carreiras, reajuste de 22,08%, estabelecimento de uma data-base para negociação, recomposição das perdas salariais anuais, estabelecimento de relações de trabalho democráticas, modificações na MP 568/2012, contra a previdência complementar e qualquer reforma que suprima direitos dos trabalhadores. As pautas locais estão sendo sistematizadas pelos servidores dos campi do Instituto que aderiram à greve e vão ser condensadas na próxima assembleia geral da categoria, marcada para o dia 6 de julho.

Confira a pauta de reivindicação completa dos servidores do Ifes.

Comando Local de Vitória define agenda de atividades para a próxima semana

Em Vitória, o Comando Local de Greve realiza na segunda, 2, um debate sobre o Fundo de Previdência Complementar dos Servidores Públicos Federais (Funpresp) e na terça-feira, 3, debatem internamente os encaminhamentos da greve. Na quinta-feira, 5, o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) vai ser discutido, após apresentação de estudo legal sobre a política de expansão do governo.

O objetivo das ações “é informar a comunidade acadêmica sobre o novo sistema previdenciário aprovado pelo governo, que prejudica o servidor público, e esclarecer a comunidade acadêmica sobre as motivações da greve unificada’, esclarece o docente Jorge Eduardo Martins, membro do CGG.

O campus da capital é a maior unidade do Ifes no Espírito Santo. Os servidores de Vitória historicamente estiveram ligados aos movimentos paredistas da educação. “É importante que todos participem, pois não podemos permitir que o governo continue retirando direitos do servidor. Não podemos ficar parados”, conclui Martins.

285 View