14 de abril de 2016
Por: Comunicação


PLP 257/16 impõe rigoroso ajuste fiscal, exige privatizações, reforma da previdência dos servidores públicos para tornar os fundos de pensão sujeitos à regra de mercado, congela salários e corta dezenas de direitos sociais

Reunio com Berzoini - PLP 257-16 - 2

Segundo Berzoini, projeto será retirado do regime de urgência da Câmara dos Deputados

Centrais sindicais se reuniram na tarde de ontem, 12, com o ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, Ricardo Berzoini, para discutir os ataques do PLP 257/16, que alonga a dívida dos estados mas, em contrapartida prejudica servidores públicos de todas as esferas (federal, estadual e municipal).

Após pressão dos movimentos sindicais dos servidores públicos contra o PLP 257/16, o governo decidiu dialogar sobre o conteúdo do projeto, se comprometendo a retirar condições que prejudicam os trabalhadores do funcionalismo público e retirar o regime de urgência do projeto.

Representantes das centrais sindicais solicitaram a construção de uma agenda entre entidades sindicais dos servidores públicos e governo para avançar em questões estacionadas, como a regulamentação da Convenção 151 da Organização nacional do Trabalho (OIT) que trata da negociação coletiva.

O PLP 257/16 impõe rigoroso ajuste fiscal, exige privatizações, reforma da previdência dos servidores públicos para tornar os fundos de pensão sujeitos à regra de mercado, congela salários e corta dezenas de direitos sociais.

Centrais sindicais presentes: CUT, UGT, CTB, NOVA CENTRAL, CSB, PÚBLICA, CSP-CONLUTAS, CGTB, além da CSPB.

Com informações: João Paulo Ribeiro – coordenador da CSPB/CTB.

Foto: Júlio Fernandes/ Secom/CSPB.

Assessoria de Comunicação

Fonte: Fasubra.

696 View