3 de outubro de 2018
Por: Comunicação


Manifestantes protestaram contra o machismo, a misoginia, o preconceito racial, contra o avanço do fascismo e o sucateamento do serviço público brasileiro

O sábado, 29 de setembro, entrou para a história: manifestações em diversas cidades do Brasil e do mundo deram cor, forma e força ao ato “Mulheres Contra Bolsonaro”.

WhatsApp Image 2018-10-02 at 20.41.43

Manifestantes reuniram-se na Praça do Papa, em Vitória

Em Vitória, milhares de pessoas se reuniram na Praça do Papa, na Enseada do Suá, para protestarem contra o machismo, a misoginia, o preconceito racial, contra o avanço do fascismo e o sucateamento do serviço público brasileiro.

De lá, elas partiram em passeata com cartazes e faixas pela Avenida Américo Buaiz. Além do candidato a presidente pelo Partido Social Liberal (PSL), Jair Bolsonaro, nomes como o dos candidatos a senadores Magno Malta e Ricardo Ferraço também foram lembrados e rechaçados pelos manifestantes. E ainda houve tempo para um “Fora Temer”!

A passeata terminou na altura da escultura “Vitória 360 Graus”, próximo à Praça do Desejo.

Sinasefe Ifes presente

A coordenadora geral do Sinasefe Ifes, Lucia Helena Pazzini de Souza, e a secretária geral da Coordenação de Administração e Finanças do Sinasefe Seção Ifes, Ariel Horta Sperandio, marcaram presença no ato.

WhatsApp Image 2018-09-29 at 17.55.39

A diretora do Sinasefe Ifes Ariel Horta Sperandio e a sua família fortaleceram a manifestação realizada no dia 29 de setembro

“A participação da atual diretoria da Seção Ifes no ato é de grande importância para mostrar aos servidores e às servidoras do Ifes que nós, enquanto sindicato, não vamos tolerar que nossas mulheres sejam desrespeitadas e diminuídas. O candidato em questão faz uma campanha carregada de discriminação, de desrespeito e preconceito, que considero um grande retrocesso, uma grande afronta aos direitos humanos e à democracia. ‘Ele Não’, ‘Ele Nunca’”, cravou Ariel.

TAEs e docentes na luta!

Além das diretoras do sindicato, servidores e servidoras da base do Sinasefe Ifes também participaram do ato.

A servidora técnica-administrativa (TAE), que atua no campus Vitória do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes), Luciana Aline Carvalho, também marcou presença no ato. “O nosso protesto foi para dizer que a mulher tem voz. E que ela estará nas ruas todas as vezes que se sentir diminuída”, garantiu a servidora.

WhatsApp Image 2018-10-01 at 14.07.55 (1)

A servidora TAE Luciana Aline Carvalho (à esquerda) e a docente Lyudmila dos Santos Martins (à direita) marcaram presença no ato

Para ela o discurso do candidato é um retrocesso. “Em pleno século 21, nós estamos discutindo sobre direitos iguais entre homens e mulheres. Nós deveríamos estar discutindo sobre Saúde, Educação. E não sobre pautas retrógradas que tem o objetivo de inferiorizar as mulheres”, apontou.

A docente Lyudmila dos Santos Martins, que atua no campus Vitória, e a TAE Niciane Castro, que atua na reitoria, marcaram presença no ato. O coordenador local do Ifes campus Vitória, Antelmo da Silva Júnior, também esteve presente com a sua companheira.

20180929_160438

A TAE Niciane Castro (à esquerda) e o coordenador local Antelmo da Silva Júnior e a sua companheira (à direita) reforçaram o #MulheresContraBolsonaro

Fim da estabilidade no serviço público

A campanha de Jair Bolsonaro também faz ataques diretos ao serviço público e aos direitos da classe trabalhadora.

Prova disso, é a defesa pelo fim da estabilidade no serviço público feita pelo candidato a vice-presidente na chapa encabeçada por Bolsonaro, o general da reserva Hamilton Mourão, do Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB).

Mourão defendeu esse ataque ao serviço público em um discurso, realizado no dia 26 de setembro, na Associação Rural de Bagé, no Rio Grande do Sul (RS), conforme noticiou o Jornal Zero Hora.

É importante lembrar que o fim da estabilidade no serviço público já é uma pauta que tramita no Senado Federal. A matéria foi aprovada pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), no dia 04 outubro de 2017. O tema ainda passará por três comissões. Clique aqui e saiba mais!

WhatsApp Image 2018-10-01 at 14.16.23

A diretora Lucia Helena (à esquerda) e o conselheiro fiscal do Sinasefe Nacional Roberto Wallace Viana (à direita) também estiveram no ato

Além disso, o general Mourão também fez críticas ao 13º salário, que apontou como uma das “jabuticabas” brasileiras, e ao adicional de férias. A declaração foi feita durante uma palestra para empresários no Rio Grande do Sul (RS).

Congelamento dos investimentos

Em 2016, como deputado federal, Jair Bolsonaro votou sim à PEC 241, mais tarde sancionada pelo presidente Temer, que congelou as despesas do Governo Federal por 20 anos, inclusive investimentos em saúde, educação e assistência social.

Luta pelo mundo

Manifestações do movimento “Mulheres Contra Bolsonaro”, reforçando o “Ele não”, também ocorreram na Alemanha, na Itália, na Holanda, na África do Sul, na Hungria, no Líbano, na Irlanda, na Espanha, na França e na Argentina.

233 View