20 de setembro de 2021
Por: Comunicação


Share This Story !

Imunização da população a partir de 12 anos no Estado começou na quarta-feira, 15. O Sinasefe Ifes reforça a importância da população buscar a imunização e confiar na ciência

Ana Carolina Batista Bazoni, aluna do 1°ano de Estradas integrado ao Ensino Médio do Ifes Campus Vitória, imunizada com a primeira dose vacina da Covid-19. Foto: Arquivo pessoal.

“As vacinas salvam vidas e a vacinação é uma oportunidade única de cuidar da gente mesmo e das pessoas ao nosso redor”. Este é o relato da estudante do ensino médio integrado do Ifes campus de Vitória, Raquel Andrade, de 16 anos, sobre a felicidade de tomar a vacina da Covid-19.

Raquel foi imunizada com a primeira dose da vacina da Pfizer/BioNTech na quinta-feira, 16. “Eu até chorei muito quando eu tomei. É uma felicidade que eu nem sei dimensionar. Muitas pessoas não conseguiram chegar até aqui, ver que eu tô aqui, que eu tenho oportunidade de tomar a vacina, é uma sensação gratificante”, destaca a estudante.

O imunizante da Pfizer, o primeiro a receber o registro definitivo para vacinas Covid-19 no Brasil, é o único autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para aplicação na população menor de 18 anos. Vale lembrar que a bula do imunizante permite a aplicação em adolescentes a partir dos 12 anos.

Especialistas na área seguem reforçando a importância da imunização com as duas doses ou dose única da vacina para a imunização coletiva. “Vacinar os adolescentes tem uma importância enorme no Brasil, comparado com outros países desenvolvidos, inclusive porque aqui um grupo muito maior nessa faixa etária adoeceu e morreu”, explica a epidemiologista e professora da Ufes, Ethel Maciel, em entrevista ao jornal o Estado de São Paulo.

Também entrevista ao jornal paulista, o epidemiologista Pedro Hallal destaca que campanhas de vacinação não podem ser destinadas só a grupos de risco. “Campanha de vacinação é para atingir imunidade coletiva. Então, quanto mais gente estiver vacinada, mais a gente está protegido”, disse.

Os destaques dos cientistas para a reafirmação da importância da imunização acontecem em meio à rotina de vai e vem adotada pelo Governo Federal. Após recomendação de vacinação da população geral de 12 a 17 anos com a vacina da Covid-19, o governo recuou e recomendou a aplicação, para esta faixa etária, só para as pessoas com deficiência permanente, comorbidades ou em privação de liberdade.

A suspensão da recomendação da aplicação foi tomada devido à existência de eventos adversos. Dentre estes, a morte de uma adolescente de São Paulo, que recebeu a vacina da Pfizer dias antes do óbito. Contudo, a Secretaria de Saúde do Governo de São Paulo apurou que a causa provável da morte não foi a aplicação da vacina da Pfizer, mas sim uma doença autoimune denominada Púrpura Trombótica Trombocitopênica (PPT).

O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) repudiaram a medida do governo e reafirmaram a confiança na Anvisa e nas principais agências sanitárias regulatórias do mundo, que atestam a segurança e eficácia da vacina da Pfizer para crianças com 12 anos ou mais.

Isabelly Pereira Elias, aluna do Ifes imunizada com a primeira dose da vacina da Covid-19. Foto: Arquivo pessoal.

Anvisa reforça segurança

Em nota, a Anvisa destacou que a aplicação da vacina da Pfizer/BioNTech para a população de 12 a 17 anos está em andamento também em outros lugares do mundo e que, “com os dados disponíveis até o momento, não existem evidências que subsidiem ou demandem alterações da bula aprovada”.

Para aprovação da vacina, a agência destacou que foram apresentados estudos de fase 3, dados que demonstraram sua eficácia e segurança, e que para as conclusões sobre eficácia, foram considerados 1.972 adolescentes vacinados. Segundo a Anvisa, a eficácia da vacina observada foi de 100% para indivíduos sem evidência de infecção prévia por Sars-CoV-2, antes e durante o regime de vacinação, e 100% para aqueles com ou sem evidência de infecção prévia por Sars-CoV-2, antes e durante o regime de vacinação. Clique aqui e confira a nota.

Vacinação no Espírito Santo

A vacinação da população de 12 a 17 anos já começou no Espírito Santo. Conforme a Secretaria de Saúde (Sesa), inicialmente, serão imunizados os adolescentes de 12 a 17 anos com deficiência permanentes, com comorbidades, gestantes, puérperas e lactantes ou privados de liberdade.

Para o público geral, foi autorizada a vacinação de 15 a 17 anos. Posteriormente, após a conclusão dos grupos, acontecerá a vacinação da população geral a partir de 12 anos.

O secretário de saúde, Nésio Fernandes, afirmou ao jornal ESHOJE que a expectativa do governo é alcançar 100% da população adulta acima de 18 anos com a primeira dose da vacina até o início do mês de outubro.

O Sinasefe Ifes reforça a importância da vacinação de todos e todas para que a sociedade possa atingir a imunidade coletiva. Acesse o site https://vacinaeconfia.es.gov.br/cidadao/ ou da prefeitura do seu município e agende a vacinação. Vacinas salvam vidas!

231 View