20 de setembro de 2021
Por: Comunicação


Share This Story !

Sindicato tem buscado o diálogo com os/as gestores/as a fim de explicitar a importância da greve sanitária para a preservação da vida, bem como tem apurado se os protocolos de retorno estão sendo seguidos

 

O Sinasefe Ifes, por meio do Comando da Greve Sanitária tem dialogado com a Reitoria e com os/as diretores/as-gerais do Ifes a fim de explicar a greve, enquanto direito da categoria, e também pautar como e se estão sendo cumpridos os protocolos de retorno. Até sexta-feira, 17, o grupo se reuniu com quatro dirigentes dos campi, entre os meses de agosto e setembro, sendo eles: Vitória, Viana, Colatina e Montanha.

Nos encontros, conforme o Comando de greve, os/as diretores/as-gerais afirmam reconhecer a legitimidade da greve sanitária e compreendem que ela é uma saída para o/a servidor/a que não se sente seguro/a com o retorno presencial às atividades. O grupo segue buscando agendar reuniões com os/as demais gestores/as, contudo, em alguns casos, não houve retorno.

A greve sanitária foi iniciada no dia 16 de agosto, e esse movimento faz parte da estratégia do Comando para elucidar a greve para os/as diretores/as, bem como garantir que os protocolos de segurança sanitária estão sendo seguidos, a fim de preservar a vida dos/as servidores/as que optem pelo retorno presencial, bem como da comunidade.

Confira os resumos das reuniões realizados com os/as diretores/as:
Vitória (19/08)

A  reunião com o diretor do campus de Vitória, Hudson Luiz Côgo, ocorreu no dia 19 de agosto. No encontro, o Sinasefe Ifes reforçou o cenário com a Covid-19, como o crescimento dos casos da variante Delta no Espírito Santo e no mundo e também que vacinação ainda não atingiu o percentual apontado como seguro pela Organização Mundial de Saúde (ao menos 70% da população com o esquema vacinal completo). Confira os principais pontos de discussão: 

  • O gestor destacou o  artigo 1º da Portaria nº 477/2021, que trata do retorno presencial dos TAEs, e expôs que o retorno presencial dos técnicos-administrativos já estava acontecendo;
  • O sindicato questionou o cumprimento das Instruções Normativas nº 109/2020 e nº 37/2021, que destaca que cabe à chefia imediata a aplicação do rodízio e escalonamento de servidores;
  • Hudson também destacou que o campus Vitória garantirá a aplicação do protocolo de segurança sanitária, bem como respeita a greve sanitária aprovada pelo Sinasefe Ifes e se disponibilizou a manter diálogo com o sindicato.

Viana (26/08)
No dia 26 de agosto, o Sinasefe Ifes se reuniu com a diretora-geral, Regiane Teodoro, e a chefe de gabinete do Campus de Viana, Sabrina Machado. No encontro, a gestão informou que há possibilidade de retorno presencial em setembro para as turmas finalistas, como um experimento para o retorno gradual em outubro. E que o campus estava preparando a infraestrutura do local com sinalizações e cartazes informativos, bem como já havia adquirido os insumos necessários.

No dia 10 de setembro, o Sinasefe Ifes realizou uma assembleia local no campus, e a categoria demonstrou preocupação com um “evento teste” realizado na unidade de ensino, no qual as medidas de segurança não foram seguidas pelos presentes. Sobre o situação, o sindicato protocolou um ofício pedindo que os protocolos sejam seguidos. Clique aqui e saiba mais.

Após o envio do documento, a diretora-geral do campus realizou uma reunião com os/as servidores/as, na qual apresentou minutas de documentos que tratavam do retorno presencial e alterou a data de retorno das turmas não finalistas para 25 de outubro.

O Sinasefe Ifes seguirá acompanhando o cumprimento dos protocolos de segurança sanitária e dialogando com a gestão do campus. O sindicato analisa o movimento da gestão como uma conquista da categoria.

Montanha (10/09)
No dia 10 de setembro, o Sinasefe Ifes se reuniu com a diretora do campus de Montanha, Claudia da Cunha Monte de Oliveira. O sindicato apresentou o processo e a construção da greve sanitária, bem como reforçou o posicionamento de que o retorno presencial só é seguro quando ao menos 70% da população capixaba esteja vacinada com as duas doses ou dose única da vacina, conforme orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS).
No encontro, a diretora destacou os seguintes pontos:

  • Reconhece as incertezas e inseguranças dos servidores do campus em relação ao retorno presencial das atividades. No entanto, enquanto gestora, é preciso cumprir a Resolução do CONSUP que determina o retorno das aulas. E, a partir disso, vem buscando um equilíbrio na tomada de decisões;
  • Foi realizada uma pesquisa consultiva junto aos servidores para saber informações sobre as condições de saúde física e emocional com o retorno das atividades presenciais;
  • O retorno das aulas presenciais ocorrerá somente em outubro, não terá retorno no período de transição (agosto e setembro);
  • Estão garantidos os protocolos de segurança sanitária: sinalização, insumos e espaçamentos. Destacou que, com a escala de trabalho dos técnicos, nenhuma sala terá mais de 2 servidores. Acrescentou também que as escalas de trabalho foram publicadas para conhecimento dos servidores.
  • Todos os servidores estão vacinados;
  • A população de Montanha e de municípios do entorno estão com a vacinação superior a 70% (primeira dose). E, ela espera que até outubro o público do campus (municípios atendidos) terá alcançado o percentual mínimo de 70% da população imunizada (com 2 doses ou dose única);
  • As autodeclarações serão levadas em consideração para garantir a continuidade do trabalho remoto para os servidores nessa condição;
  • A gestão busca dialogar com os servidores para garantir situações legais e mesmo não previstas nas normas;

O Sinasefe Ifes reconhece que foi acertada a opção do campus pelo retorno somente em outubro, evitando expor a comunidade a riscos nos meses de agosto e setembro. Por outro lado, apesar do otimismo da diretora em relação ao ritmo da vacinação, o Sinasefe Ifes acredita que dificilmente esse percentual de 70% de imunização da população da região de influência do campus Montanha será atingido. Por isso, pensando na perspectiva de preservar vidas, é importante que os/as servidores/as do campus reflitam sobre a possibilidade de aderirem a greve sanitária e que a gestão do campus se comprometa a cumprir todos os itens mencionados na referida reunião.

Colatina
O Sinasefe Ifes se reuniu a direção do campus de Colatina no dia 31 de agosto. Na oportunidade, a gestão reforçou que está seguindo os protocolos de segurança, como sinalização, insumos, etc, e que buscou a empresa que realiza o transporte público para garantir maior oferta de ônibus. No encontro, o diretor, Octavio Cavalari Junior, destacou os seguintes pontos:

  • As autodeclarações referente a IN Nº 109/2020 serão consideradas para garantir a continuidade do trabalho remoto pelos TAEs;
  • Compreende e reconhece a greve sanitária pode ser uma alternativa para os servidores que não se sintam seguros em retornar presencialmente e que não estejam amparados pelas autodeclarações;
  • Os casos de não retorno presencial de docentes e discentes estão garantidos pelo menos até o dia 30/09. O diretor tem a expectativa de que haja uma reunião do Consup antes da referida data;

Na oportunidade, o Sinasefe Ifes elogiou a postura da gestão do campus e a seriedade como vem trabalhando com os protocolos de segurança sanitária, apesar de reconhecer que a opção pelo retorno das aulas presenciais ainda em agosto tenha sido precipitada. De qualquer forma, a gestão do Sinasefe Ifes não descartou a possibilidade de realizar uma visita técnica ao campus e a possibilidade de outras reuniões.

Saiba mais

Retorno presencial: Sinasefe Ifes abre canal para denúncias de descumprimento dos protocolos

Dúvidas sobre a Greve Sanitária no Ifes? O Comando de Greve responde!

 

240 View