19 de fevereiro de 2020
Por: Comunicação



O risco de perda de autonomia e dos compromissos ético, social e político dos institutos federais e das universidades foram pontos de destaque no encontro

O Sinasefe Seção Ifes esteve presente no 2º Seminário de Carreira do Sinasefe Nacional, realizado entre os dias 7 e 9 de fevereiro, no Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro-RJ. O evento, que teve como tema “Mobilize-se: Quem sabe faz a hora, não espera acontecer!”, contou com a participação de mais de 200 sindicalizadas/os de seções de todas as regiões do país. No total, 16 servidoras/es do Ifes estiveram no evento representando a categoria no Espírito Santo.

Foram realizadas 12 mesas de debates que abordaram questões como a organização da luta das/os trabalhadoras/es em relação às carreiras de docentes e técnico-administrativos da Rede Federal e da educação básica, profissional e técnica; o programa Future-se; a autonomia administrativa, científica e financeira dos institutos federais; as orientações com relação à aposentadoria/previdência; liberdade de cátedra; enquadramento PCCTAE (racionalização, dimensionamento, capacitação, ascensão funcional e avaliação de desempenho); entre outros temas.

Josué Rego da Silva, membro do GT PCCTAE da Seção Ifes e intérprete de Libras do campus Serra, ressaltou o fortalecimento que o evento promoveu para a mobilização da categoria. “Voltamos para as bases com gás para contribuir no engajamento das/os trabalhadoras/es do Ifes. Diante de tantas ameaças de ainda mais perdas de direitos, precisamos alertar as/os colegas de que os ataques não vão parar com a Reforma da Previdência. Estão previstos muitos outros cortes, por exemplo, nas progressões e na autonomia dos institutos”.

Além de Josué Rego da Silva, participaram do seminário Adenilson Guasti Castro (coordenador geral da Seção Ifes); Clério Lucas Guaitolini (campus Serra); Cristina Mota Damasceno (diretora da Seção Ifes); Elias Mattiuzzi Pereira (campus Vila Velha); Enos da Cunha (campus Vitória); Italo Severo Sans Inglez (campus Vitória); Julio Cesar Bello (campus Vitória); Levi de Castro Ramos (campus Colatina); Lucia Helena Pazzini de Souza (coordenadora geral da Seção Ifes); Manoel Tadeu Alves dos Santos (coordenador geral Seção Ifes); Norma Pignaton Recla Lima (diretora da Seção Ifes); Roberto Wallace Viana (campus Serra); Sérgio Taquini (campus Viana); Wagner Scopel Falcão (campus Serra); e Weverton Pereira do Sacramento (diretor da Seção Ifes). Um ônibus foi fretado para o transporte das/os participantes.

O evento contou, ainda, com a participação do servidor do Ifes Aliomar da Silva, que integrou a organização do Seminário; além do advogado do Sinasefe Seção Ifes Adriano Moraes, que foi como palestrante. Os dois participaram à convite do Sinasefe Nacional.

Destaques

O ex-reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Roberto Leher, esteve no Seminário e fez uma reflexão sobre o programa Future-se. “Este projeto vem sendo encaminhado pelo Ministério da Educação (MEC), que tem o objetivo de refuncionalizar as nossas universidades e os institutos federais. Deixariam, portanto, de ser espaços autônomos e com compromisso ético, com compromisso social e político, para se tornarem organizações do capitalismo independente”.

Teve destaque, ainda, a palestra de abertura com o tema “Relações de trabalho: passado, presente e futuro”, proferida por Gaudêncio Frigotto, professor da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Ele destacou a natureza dos institutos federais, nascidos de uma engenharia política. “Os institutos representam o que existe de melhor na política pública de educação na história do Brasil no ensino médio, mesmo com todos os problemas que enfrentam”.

Ainda de acordo com Gaudêncio Frigotto, o formato dos institutos é o que temos de maior também na política de interiorização de ensino. “Está no Acre, está no Rio, está no interior do nordeste”.

105 View