16 de março de 2022
Por: Comunicação


Share This Story !

Assembleia geral será no dia 22, às 19h, de forma virtual, e a base decidirá pelo apoio ao movimento nacional da greve geral pela recomposição salarial emergencial de 19,99%

Ou o governo Bolsonaro negocia ou os/as servidores/as públicos federais vão parar! Dia 23 de março será dado início à greve geral por tempo indeterminado. As categorias reivindicam 19,99% de recomposição salarial emergencial já. O governo está há mais de 50 dias sem responder às reivindicações dos/as trabalhadores/as. 

Nesta quarta-feira, 16, aconteceu um ultimato ao Governo Bolsonaro, como uma forma de pressionar a gestão pela negociação com as categorias. Caso a gestão não dialogue e negocie até 23 de março, será deflagrada a greve por tempo indeterminado das entidades que fazem parte do  Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe). 

Para tratar do assunto, o Sinasefe Ifes realizou uma assembleia geral com a categoria nesta quarta-feira, 16, e os presentes avaliaram como positivo o movimento e também aprovaram que, um dia antes da deflagração da greve nacional, no dia 22, o sindicato realize uma nova assembleia para a base decidir a adesão ou não ao movimento. A assembleia será às 19h, e acontecerá de forma virtual. 

O Movimento em Defesa de Direitos e Serviços Públicos de Qualidade, do qual o Sinasefe Ifes faz parte, também fixou faixas em frente ao campus do Ifes de Vitória. Em um dos materiais, é disposta a mensagem “Pela valorização do Serviço Público Federal: recomposição salarial imediata de 19,99%”. 

Plenária

Nesta quarta, também foi realizada a Plenária Estadual Virtual pela campanha salarial 2022. Entidades dos servidores públicos federais participaram do encontro que fez uma análise política da conjuntura. O Sinasefe Ifes esteve presente e contribuiu com o debate. 

O coordenador geral do SINASEFE Nacional, David Lobão, destacou que os servidores estão dando um ultimato porque o governo está mostrando indisposição para negociar. “Estamos dando um ultimato no governo Bolsonaro. É um governo que está mostrando a sua indisposição de negociar com o trabalhador. Ele é incapaz de fazer a coisa mais natural que é o reajuste, que é trivial em todo o mundo”, destacou. 

O diretor do Andes-SN Amauri Fragoso também esteve presente na plenária e contribuiu com o debate local realizado pelos servidores e servidoras federais do Espírito Santo. 

Ato unificado em Brasília

As categorias do Serviço Público Federal realizaram também atos em Brasília nesta quarta-feira, 16, no ultimato ao Governo Bolsonaro. Confira as fotos realizadas pelo SINASEFE Nacional:

 

 

253 View