8 de agosto de 2019
Por: Comunicação


Apesar da aprovação na Câmara, luta coletiva resultou na retirada de diversos pontos que poderiam tornar a reforma ainda mais cruel. Ações agora focam a tramitação no Senado

O Sinasefe Seção Ifes realizou diversas ações com o intuito de contribuir com a luta contra a aprovação da Reforma da Previdência na Câmara Federal, que acabou aprovada em segundo turno nos dias 7 e 8 de agosto. Vale ressaltar que os esforços de diversas entidades, parlamentares, e das mais variadas organizações da sociedade civil, assim como da população brasileira, foram determinantes para que mudanças fossem feitas no texto original, amenizando alguns dos danos a segmentos mais vulneráveis, como as pessoas com deficiência, com a manutenção do Benefício de Prestação Continuada (BPC) com as regras atuais. e também para categorias como a das/os professoras/es que mantiveram aposentadoria especial com idade mínima inferior a de outras categorias em decorrência da natureza da atividade.

Na semana anterior à votação em segundo turno na Câmara, o Sinasefe Seção Ifes enviou carta aos deputados federais que votaram a favor da proposta no primeiro turno solicitando que reavaliassem suas posições, mas nenhum deles mudou o voto e nem mesmo respondeu a carta enviada por e-mail pela representação sindical, com exceção de Felipe Rigoni (PSB) que enviou resposta assinada por uma assessora parlamentar e que aparentava ser um texto padrão enviado para todo e qualquer contato feito com o gabinete sem considerar os argumentos contidos no texto. Clique aqui e confira a íntegra da Carta Enviada.

Além de Rigoni (PSB), votaram a favor da Reforma e contra as/os trabalhadoras/es: Amaro Neto (PRB), Da Vitória (Cidadania/antigo PPS), Dra. Soraya Manato (PSL), Ted Conti (PSB), Norma Ayub (DEM), Evair Vieira de Melo (PP), e Lauriete (PL).

Senado

A batalha das/os trabalhadoras/es agora será no Senado. O objetivo é derrotar o texto aprovado na Câmara convencendo os senadores a rejeitarem a proposta que prejudica a população brasileira. Também serão propostas modificações nas partes do texto consideradas mais nocivas, no caso de não haver possibilidade de barrar o conjunto das medidas que devem ser votadas em setembro após passarem pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Casa.

Tsunami

Mas, além do front aberto nos gabinetes de Brasília, a mobilização continuará ganhando as ruas. No dia 13 de agosto acontece mais um #TsunamiDaEducação, manifestação, e também greve na Educação, que reunirá milhares de pessoas em Vitória e milhões em todo o Brasil em defesa da Educação e também da Previdência Social. O Sinasefe integra o conjunto de entidades que participa do ato.

O Sindicato e a categoria já haviam participado, no dia 30 de maio, da primeira edição do #TsunamiDaEducação que já reuniu milhões de pessoas em todo o Brasil e milhares em Vitória. No dia 14 de junho também houve adesão à Greve Geral, compondo o ato junto com outros sindicatos e movimentos sociais do Brasil inteiro tendo como principal mote a luta contra a Reforma da Previdência.

O Sinasefe Seão Ifes realiza, ainda, atividades de formação com a categoria, debates e análise da conjuntura nas assembleias, fazendo reverberar as informações que desconstroem a narrativa enganosa que “vende” a Reforma como algo bom para as/os trabalhadoras/es.

116 View