12 de abril de 2012
Por: Haroldo Lima


Share This Story !

Sonho dos irmãos Villas Boas chega às telas em momento de retrocesso em políticas

O filme “Xingu”, de Cao Hamburger (O Ano em Que Meus Pais Saíram de Férias), chega às telas em um momento de retrocesso nas políticas indígenas. No mês em que é celebrado o dia do índio, pouco há para se comemorar. O Parque Indígena, criado pelos irmãos Villas Boas, cenário do filme, vive às voltas com diferentes ameaças, e em outras aldeias espalhadas pelo país, o clima é de medo, provocado por invasões do garimpo, pela ameaça constante do narcotráfico e pela violenta disputa pelas terras com fazendeiros fortemente armados.

xingu_o_filme_26O avanço da política indigenista, expresso na saga dos irmãos Villas Boas, e bem retratado no filme, corre sério risco de ir por terra. No caso especifico do Parque Indígena do Xingu, área de 2, 6 milhões de hectares no Mato Grosso, uma nova ‘transamazônica’ tira o sono de indígenas. A construção da usina hidrelétrica Belo Monte, enfiada goela abaixo dos povos xinguanos, figura hoje ao lado de outros problemas mais antigos – que não param de crescer – como o avanço de território desmatado e das culturas de grão e da pecuária.

“Estamos correndo o risco de andar para trás não só nas políticas indígenas, mas também nas questões ambientais”, afirmou o diretor Cao Hamburger, pouco antes da exibição de Xingu para a imprensa e convidados, em São Paulo. “Se a sociedade não se tocar, vamos ficar pior que caranguejo”, ironiza o diretor. Ele acredita que o filme pode iluminar um pouco a questão nesse sentido. “Contamos uma história que se passou há cinquenta anos, mas que é muito atual e urgente.”

O filme faz um justo resgate da historia de três brasileiros de primeira grandeza que decidirem botar o pé na estrada, inicialmente sem saber ao certo pra onde, nem por que. A viagem em questão é a Expedição Roncador-Xingu que, em 1943, partiu de São Paulo rumo a regiões inóspitas do Brasil Central. Seus nomes: Orlando, Cláudio e Leonardo Villas Bôas. Impulsionados, em princípio, pelo desejo de aventuras, descortinaram o misterioso mundo dos povos indígenas. Um mundo que, como poucos, eles compreenderam e ajudaram a preservar. E ao qual, apaixonados, dedicaram – de corpo e alma – suas vidas.

Abraço da morte

“É uma joia pública preservada”, defende o ator Caio Blat, que vive no longa o caçula, Leonardo Villas Boas. “Eles previram o avanço da destruição que ameaçaria os povos da região, chamavam isso de ‘abraço da morte’, o que, aliás, já está acontecendo, todo o entorno do parque já está devastado”, ressalta o ator. Ele também acredita que o filme chega numa boa hora. “Vamos levantar esse debate, levar esse tema para as casas das pessoas, escolas, e tentar reverter essa situação com a participação da sociedade”. Para o ator, quadro é dramática. “O parque está no seu limite, desmatamentos chegaram perto demais e impactos da usina Belo Monte não estão claros.” O ator aproveita pra chamar a atenção sobre questões ambientais. “Código florestal que está sendo aprovado é vergonhoso.”

A atriz Maria Flor, que vive o papel de Marina, a viúva de Orlando Villas Boas, e que passou vários dias no parque indígena, conta ter se impressionado ao ver como os índios ainda continuam vivendo dentro da própria cultura, mas vê com ressalvas a ideia de preservação cultural. “É inevitável nossa cultura entrar ali, e essa mistura é muito interessante, eles querem isso, ter ipod, máquina fotográfica, é legítimo, e o bacana é que ao mesmo tempo permanecem ligados às tradições.”

“Falta outro ‘Orlando’ pra botar ordem na casa”

Verdadeira celebridade na noite da pré-estreia do filme em São Paulo, Marina elogiou o olhar ‘sensível e competente’ do diretor Cao Hamburger. Sobre a atual situação de fragilidade de aldeias, ela lamenta. “Falta o interesse que já existiu na questão indígena”, em outras palavras, a viúva quis dizer que falta outro ‘Orlando’ pra botar ordem na casa, ou na aldeia.

Também marcou presença na pré-estreia de Xingu, ao lado da sempre bela, Bruna Lombardi, o eterno Aritana da TV, o ator Carlos Alberto Riccelli, que teve a ajuda dos sertanistas Orlando e Claudio Villas Boas para a composição de seu personagem, o líder indígena do Alto Xingu, Aritana Yawalapiti, em 1978, na saudosa TV Tupi. “Eles foram excelentes professores, me ensinaram um pouco dos costumes e do idioma”, diz o ator, que vive hoje em São Paulo e em Miami. Bruna acrescenta um detalhe importante. “Para nós tem um significado todo especial, foi no Xingu que nos conhecemos.”

O ator que acabava de chegar do Fórum de Sustentabilidade de Manaus, também ergueu a bandeira ambiental. Ele citou uma petição, da ONG Greenpeace que propõe  ‘desmatamento zero’. “Pra transformar isso em lei é preciso 1 milhão e meio de assinaturas.” Ele afirma que a exemplo do que aconteceu com a Lei da Ficha Limpa’, que teve expressiva participação da sociedade, essa proposta pode fazer mais do que a atual revisão do código florestal, onde, segundo ele, ‘todo mundo deu palpite, mexeu onde não precisava e tudo para salvar quem deveria ser punido.”

Para o cineasta Fernando Meirelles (um dos diretores da O2 Filmes, produtora de Xingu), o longa, dirigido por Hamburger, questiona o que é progresso. Ele se refere a uma cena em que Felipe Camargo, na pele de Orlando, arremata o assunto afirmando que “progresso não interessa nem pra gente.” Questionado sobre porque não é mencionada a construção da Belo Monte, o diretor se defende dizendo que as imagens da Transamazônica no final do filme já deixam implícita a questão. Mas afirma ser contra a obra, imposta sem os devidos estudos de impacto. “Serão dezessete usinas ao longo do rio para produzir uma energia elétrica que não precisamos, para fazer alumínio para a China”, conclui.

Histórias de pajés

Certamente, o mais fantástico nas aventuras de Orlando Villas Boas foi seu encontro com o fascinante universo da cultura indígena. Desta mesma fonte, ele resgatou outro tesouro, as histórias de poderosos pajés, autores de feitos mirabolantes. A enfermeira Marina Villas Bôas, esposa do sertanista, que viveu e trabalhou com ele durante 12 anos no Xingu, conhece uma porção delas. Muitas, porém, trazem pitadas de um recheio fantástico, que ela própria reconhece ‘precisar muita fé para acreditar’. O que não impede o fascínio pelo universo indígena, motivo que a fez abandonar a vida segura em São Paulo e seguir rumo ao Xingu, onde viveu e trabalhou durante doze anos. Peço e ela concorda em contar um desses ‘causos’ mirabolantes.

“Um índio foi pescar com seus dois filhos. Duas crianças – uma de seis e a outra de oito ou nove anos. O pai foi até a outra margem do rio, mas advertiu aos pequenos para que o esperassem ali onde estavam. Quando retornou já não estavam mais lá. O índio procurou, mas não os encontrou. À noite, desesperado, voltou à aldeia. No dia seguinte, várias equipes de índios saíram à procura das crianças, sem sucesso. Orlando chamou então o pajé, que garantiu que as crianças estavam bem e que voltariam, mesmo depois de terem passado vários dias, com chuvas e tempestades. Quase duas semanas após o sumiço dos garotos, o pajé fez uma cerimônia e depois afirmou que no dia seguinte, ao meio-dia, eles retornariam à aldeia. No horário previsto, pediu que todos ficassem em suas casas enquanto ele faria sua reza. Em seguida, como anunciado, as crianças voltaram. Não tem explicação”, conclui Marina.

Via Brasil de Fato.

393 View