16 de fevereiro de 2021
Por: Comunicação


Share This Story !

Quase um milhão de pessoas tiveram algum contato com conteúdos do Movimento com os quais interagiram 51 mil vezes; vídeos foram vistos mais de 320 mil vezes

O Movimento #VidaDeServidor continuará as suas ações em 2021, dialogando com a sociedade e tendo como principal causa a valorização do serviço público de qualidade e acessível a todas e todos. Os números dos conteúdos trabalhados nas redes sociais confirmam a boa recepção do público e uma disposição para o diálogo sobre as pautas relacionadas aos direitos sociais da população brasileira. O Movimento tem como organizadores a Adufes e o Sinasefe Seção Ifes, e contou com apoio do DCE Ufes.

Entre 20 de agosto e 30 de novembro de 2020, quase 1 milhão de pessoas (962.938 usuários únicos) tiveram contato com as postagens do #VidaDeServidor nas redes sociais, exibidas mais de 2,6 milhões de vezes. Além disso, o público interagiu com os conteúdos mais de 51 mil vezes e os vídeos produzidos pelo movimento obtiveram mais de 320 mil visualizações. Os números se referem à soma do desempenho no YouTube, Instagram, Facebook, Twitter e LinkedIn. O Movimento conta, ainda, com um site em que há conteúdos institucionais e a sua apresentação; e faixas que foram instaladas de frente para avenidas de grande circulação nos campi de Goiabeiras e Maruípe, em Vitória (Ufes), e de Vitória (Ifes).

Apenas no YouTube, vídeos com depoimentos de professores e estudantes com depoimentos sobre o trabalho desenvolvido durante a pandemia, assim como as dificuldades do ensino remoto e a necessidade de valorização do serviço público, foram vistos mais de 52 mil vezes. Dessa audiência, 21,65% assistiu entre 75 e 100% do tempo total dos vídeos, performance positiva que demonstra o interesse das pessoas pelo conteúdo.

Informal

As peças foram produzidas com linguagem informal, muitas vezes divertida, mas sempre com o rigor que as pautas exigem. Essa fórmula permitiu ampliar o debate sobre a necessidade da defesa do serviço público no Brasil. Grande parte da audiência alcançada é composta por pessoas que não estão relacionadas diretamente à luta sindical e nem aos movimentos sociais. O público ativado para as ações partiu de servidores públicos, mas foi ampliado à medida que os debates e conteúdos foram avançando.

Entre as questões tratadas estavam: o dia a dia do trabalho no serviço público, em especial na Educação; os riscos que a Reforma Administrativa representa para o Brasil, principalmente no que se refere ao retorno do loteamento político dos cargos públicos; as fake news sobre servidores públicos e privilégios que não existem; as pesquisas e o trabalho essencial do setor público no enfrentamento à pandemia; e a precariedade e o aprofundamento das desigualdades relacionadas ao ensino remoto; entre outras.

Identificação

A presidenta da Adufes, Ana Carolina Galvão, explica que, desde o início da pandemia, devido à necessidade de distanciamento social, foi preciso buscar outras formas de diálogo. “O governo aumentou ainda mais a superexploração do trabalho e a retirada de direitos, o que afeta toda a população, exigindo que encontrássemos outras vias para defender os servidores e os serviços públicos e para explicar à sociedade como esses ataques afetam a todos. O movimento #VidaDeServidor objetivou estabelecer esse canal de comunicação diferenciado e ir para além de nossa própria comunidade acadêmica. Para isso, novos modos de interação deram a tônica. Penso que os vídeos de professores, técnicos e estudantes colocaram a vida de carne e osso no centro da discussão e possibilitaram que as pessoas se enxergassem nas questões abordadas”, explicou.

Ana acrescentou, ainda, que os resultados foram considerados excelentes, porque foi possível falar para além dos seguidores e espectadores usuais dos sindicatos. “Entendemos que o diálogo com a sociedade precisa ser feito de maneira consistente, contínua e planejada e tudo isso foi realizado na campanha”.

Estratégico

Houve entendimento e reconhecimento da importância da comunicação sindical e do seu papel político e estratégico em um momento em que há um governo de extrema-direita no poder aprofundando os ataques aos trabalhadores brasileiros. A constatação é do coordenador de Formação Política e Relações Sindicais do Sinasefe Seção Ifes, Carlos Alberto Firmino dos Santos.

“Pensamos em um movimento que, em forma de campanha, nos fortalecesse para o enfrentamento aos desafios, sempre balizados pela ética, comprometimento com a categoria e responsabilidade social. A linguagem utilizada foi essencial para que saíssemos do lugar comum e investíssemos em uma forma nova (para nós) de engajar em temas complexos, mas de maneira simples e com despojamento”, disse.

Carlos aponta, ainda, que o movimento fortaleceu o papel do sindicato. “Atingimos os objetivos que traçamos: a elevação do nível de compreensão de nossos desafios e que a luta contra os ataques sofridos deveria fazer parte de nosso cotidiano. A profissionalização dessa forma de comunicação permitiu o monitoramento dos desdobramentos e a análise dos resultados. E, além disso, os conteúdos trabalhados resultaram em um excelente material de formação política, tanto para o momento atual, quanto para momentos futuros”, concluiu.

Clique aqui e saiba mais sobre o Vida de Servidor.

Fonte: Vida de Servidor.

100 View